Tipos de cortina: saiba qual usar em seus ambientes

0
Janela com cortina em cor clara e um vaso de plantas como exemplo dos tipos de cortina

A cortina é um elemento indispensável no décor, ajudando a reduzir os raios solares em um ambiente e melhorando o conforto térmico e visual. Mas, para escolher corretamente, é preciso entender melhor os diferentes tipos de cortina.

Afinal, cada modelo possui suas especificidades e indicações. E é importante que a versão escolhida seja compatível com o espaço onde você pretende usar a cortina, agregando beleza e funcionalidade. Veja quantas dicas bacanas nós trouxemos:

Quais são os tipos de cortina?

Existem inúmeros modelos de cortina, por isso separamos os diferentes tipos com suas principais características.

Cortina Voil

Essa é uma das cortinas mais tradicionais e presente na maioria das casas. Ela é usada para cobrir toda a extensão da parede, indo do chão ao teto. O voil é um tecido fino e delicado, com uma leve transparência, que oferece um visual elegante e clean aos ambientes.

É possível encontrar cortinas desse material em diferentes tonalidades e também em modelos bordados, vazados ou com aspecto amassado. O voil é fácil de combinar com outros tecidos, especialmente o linho, a seda e até outros tipos de voil.

Essa cortina bloqueia parcialmente a iluminação, por isso é indicada para locais em que se deseja manter um pouco da luz natural durante o dia. Quem desejar mais privacidade, pode optar pelas versões com duas camadas ou combinar o voil com outros tecidos.

Cortina de Sarja

Esse é um tecido mais encorpado que o anterior, garantindo um bloqueio maior da iluminação. Geralmente, essa cortina é instalada em trilhos, o que garante um caimento elegante e bonito.

A sarja também está disponível em diferentes opções de cores e estampas e pode aparecer combinada com outros tecidos, especialmente o voil. Ela é fácil de combinar com diferentes estilos decorativos.

Cortina Blackout

Ao contrário da voil, a blackout é aquela cortina que bloqueia totalmente a luminosidade, escurecendo quase 100% do ambiente.

Antigamente, essas cortinas eram mais robustas e acabavam pesando na estética do espaço. Hoje, elas são encontradas em diferentes tecidos, que ficam bem discretos e se assemelham às cortinas tradicionais.

Duofold (Top Down)

Essa cortina é parecida com a persiana, pois tem dobras plissadas ou espaçadas. A diferença é que ela permite dois tipos de abertura: tanto em cima, como embaixo.

O modelo ajuda a criar um efeito moderno no ambiente, combinando com espaços com janelas amplas. Em um tom mais claro, ajuda a trazer um clima harmônico. Também pode ser usada em portas de vidro.

Rolô

Esse modelo de cortina permite que ela seja enrolada, ficando bem escondida quando fechada. Como é discreta, combina perfeitamente com ambientes minimalistas e clean.

Ela é excelente para quem tem uma sanca de gesso, por exemplo, na qual a cortina pode ficar escondida. Também pode ser fixada no varão.

A cortina rolô, no entanto, não filtra 100% da luz, porém, oferece um bloqueio melhor do que o dos tecidos mais leves, como o voil. Caso queira adicionar ainda mais privacidade e elegância ao ambiente, poderá combinar a rolô com o voil.

Painel

A cortina painel tem o recolhimento lateral e permite diferentes posições, sendo composta por painéis de tecidos que correm horizontalmente sobre um trilho. Com isso, tem-se um efeito mais moderno no cômodo.

Porém, para instalar essa cortina, é importante que haja espaço suficiente nas laterais. Assim, os painéis não se acumulam na frente da janela e conseguem bloquear a passagem da luz.

O modelo também é uma excelente escolha para trabalhar como divisória de ambientes ou para cobrir portas de vidro.

Romana

A cortina romana geralmente é confeccionada em linho ou outro tipo de tecido. O diferencial é que o modelo conta com divisórias em varetas horizontais.

Como ela é mais estruturada, pode ser feita em outros materiais não tão tradicionais, como o bambu, sendo extremamente versátil em termos de estilos decorativos e garantindo excelente privacidade.

Ela é uma cortina que abre e fecha horizontalmente – e também é chamada de persiana romana. Sua abertura é controlada pelas varetas horizontais, formando uma espécie de “gomos” que se dobram uns sobre os outros.

As versões com tecidos mais encorpados funcionam como uma espécie de cortina blackout, enquanto os tecidos mais finos garantem maior passagem de luz.

Cortina de teto

Essa cortina é indicada para quem precisa cobrir clarabóias e vãos. Os modelos mais usados nessa função são as cortinas de rolo e as romanas acionadas por controle remoto.

As cortinas de teto também podem ser usadas em áreas externas, como terraços com cobertura de vidro, ajudando a controlar a luminosidade e oferecendo mais conforto térmico no verão.

Persianas

As persianas são alternativas às cortinas tradicionais. Elas são mais neutras e podem ser confeccionadas em diferentes materiais como tecido, PVC, madeira, alumínio etc.

Os modelos mais comuns de persiana são:

  • persiana horizontal: as chapas são horizontais e o modelo é indicado para quem tem pouco espaço na lateral da janela. Contudo, não é uma cortina ideal para janelas com divisórias no meio, pois bloqueia a abertura;
  • persiana vertical: é feita com chapas verticais (uma ao lado da outra), com fechamento lateral.
A imagem contém uma persiana branca, um dos tipos de cortina mais modernos e funcionais.

Também existem persianas de rolo e romanas, que funcionam do mesmo modo que já explicamos. E há modelos de persianas acionadas por controle remoto.

A principal vantagem da persiana é que ela pode ser instalada em praticamente qualquer ambiente e existe a opção de confeccioná-la sob medida, ajustando-se perfeitamente no tamanho da janela.

Tipos de cortina por ambiente: como escolher?

Agora que você já viu as características dos principais tipos de cortina, que tal descobrir quais modelos são mais indicados por ambiente? Siga conosco!

Cortinas para sala

A sala é um dos espaços mais sociais da casa. Por isso, o design é tão importante quanto o controle da luminosidade e o conforto térmico. Assim, avalie o estilo predominante no espaço para definir a cortina certa.

Geralmente, a cortina de voil é uma das mais usadas. Mas você poderá usar uma mistura de diferentes tecidos, como a cortina de sarja com a de voil, o que garantirá elegância e mais possibilidades na hora de controlar a luminosidade.

No caso das salas de TV, a cortina blackout é uma que faz sucesso, pois ajuda a trazer aquele clima de cinema, favorecendo ainda mais a experiência.

Se você tem uma sala com pé direito duplo, por exemplo, poderá investir em uma cortina painel, que é ideal para ambientes mais altos.

A persiana também pode funcionar nas salas de estar, dependendo do estilo que deseja dar ao ambiente, trazendo um toque moderno e clean. Contudo, sempre opte pelas versões que vão do teto ao chão. A menos que você tenha um móvel encostado na janela.

Cortinas para cozinha e banheiro

As cozinhas e banheiros também podem se beneficiar do controle de luminosidade oferecido pelas cortinas. Contudo, lembre-se que estes são cômodos frequentemente expostos à gordura e à umidade. Então, prefira um material que seja fácil de limpar, como as cortinas sintéticas.

Se a cortina for ficar próxima do fogão ou da pia, o mais recomendado são as persianas de PVC, pois são mais fáceis de limpar. Se for mais afastada desses itens, pode-se usar a romana com tecido sintético.

Cortinas para quarto

No quarto, as cortinas ajudam a trazer aconchego e intimidade, reduzindo a incidência de luz e melhorando a qualidade do sono. Por isso, a cortina blackout acaba sendo a preferida de muitas pessoas. Se você desejar um aspecto mais leve, pode optar por uma blackout com um voil, deixando o ambiente sofisticado.

Outra boa opção é a cortina de sarja, que também barra a luminosidade, porém, traz um toque a mais de elegância e charme.

São muitas as ideias que podem funcionar nos quartos, dependendo do estilo dos moradores e dos demais móveis e elementos, como: duofold, painel e até as diferentes opções de persianas.

Nos quartos dos bebês e das crianças, cuidado com o tecido que escolhe, preferindo uma versão que seja mais fácil de limpar, evitando as alergias. Se o quartinho é muito claro, opte por uma blackout para a criança poder dormir tranquilamente.

Quais outras dicas para escolher as cortinas?

Além dos diferentes tipos de cortina, não se esqueça de pensar na instalação, que deve ser compatível com o modelo e também com o décor do ambiente.

Atualmente, os suportes mais usados são os trilhos suíços ou o varão. Ambos podem ficar expostos ou escondidos no cortineiro embutido (vão do rebaixamento do gesso) ou no cortineiro sobreposto (com ou sem sanca de gesso).

Você também pode ousar com a ponteira para varão, pensando em modelos de acordo com a sua decoração.

Se optar pelo varão, a cortina poderá ser suspensa com ilhoses, passantes, tecidos, argolas, entre outras opções. Os trilhos suíços, por sua vez, costumam ficar fixos no teto e as peças de encaixe são costuradas na cortina, sendo de fácil colocação.

Pregas

As cortinas de tecido ainda podem variar em relação às pregas, como:

  • prega wave: transmite sensação de movimento e volume;
  • prega macho: caimento reto e elegante;
  • prega americana: na parte superior da cortina, há um detalhe feito com o agrupamento de três pregas. Essas cortinas normalmente são usadas com forro e proporcionam melhor caimento e volume.

Inspire-se em nossos clientes

Depois de todas essas dicas, ainda não sabe quais são os melhores tipos de cortina para sua casa? Então dê uma olhadinha em como nossos clientes estão usando cortinas em suas casas!

Conheça a Madesa

E aí, gostou deste conteúdo? Aqui no blog e nas nossas redes sociais você encontra outras dicas incríveis para decorar sua casa. E assinando nossa newsletter você fica por dentro de todos os lançamentos e promoções da nossa loja!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, compartilhe seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui